Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Escola de Atenas

Um Blog informativo

Escola de Atenas

Um Blog informativo

09.Dez.16

As pessoas felizes têm objetivos claramente definidos

As pessoas felizes sabem para onde querem ir. Elas são empenhadas em realizar os seus sonhos e fazem o que for preciso para lá chegar.

 

Objetivos

 

W. Beran Wolfe disse: «Quando observamos um homem feliz, ele está a construir um navio, a escrever uma sinfonia, a educar o seu filho, a plantar o seu jardim...».

 

Vá em frente e sonhe grande. Faça a sua lista de objetivos, de longo prazo, de curto prazo ou de tarefas diárias.

09.Dez.16

As pessoas felizes cultivam o otimismo

As pessoas felizes não se põem em efeito, põem-se em causa. Elas não vivem das circunstâncias, mas sim das suas atitudes.

 

Otimismo

 

Independentemente do que acontece, elas sempre encontram o lado positivo das situações e encaram o fracasso como uma oportunidade para crescer e aprender.

 

Assuma a responsabilidade pela sua vida, encare as situações com otimismo e rodeie-se de amigos otimistas e felizes, pois a felicidade é contagiante.

09.Dez.16

As pessoas felizes cultivam relações nutritivas

As pessoas felizes sabem que as relações sociais nutritivas são a chave para a felicidade.

 

Amigos

 

Um estudo publicado no livro Finding Flow revela que as pessoas que têm 5 ou mais amigos próximos têm uma probabilidade de 60% de se sentirem mais felizes. Quando estabelecemos relações nutritivas, preenchemos a nossa necessidade de pertença — pertencemos àquela família, àquele grupo de amigos, àquele clube.

 

Faça a lista das pessoas nutritivas da sua vida e dedique-lhes tempo.

09.Dez.16

As pessoas felizes são generosas

As pessoas felizes são generosas com os outros e com elas próprias e compreendem a importância do amor-próprio, do perdão e da aceitação.

 

Generosidade

 

Apesar de o dia só ter 24 horas, as pessoas felizes dedicam uma parte do seu tempo a praticar a generosidade.

 

Faça atos de generosidade diários: deixe passar um carro na fila de trânsito, pague um café a um desconhecido, mande um postal ou uma SMS, faça voluntariado.

09.Dez.16

As pessoas felizes saboreiam o presente

As pessoas felizes vivem no aqui e agora. Elas sabem como viver o presente, saboreando o que têm e o que são e sentindo a alegria de simplesmente ser ou estar.

 

A vida no aqui e agora

 

Para adotar este hábito concentre-se apenas no que está a fazer agora e dedique-se ao presente.

 

Evite os pensamentos repetidos sobre eventos negativos do passado e permita-se sonhar sobre o futuro, mas saboreie o que acontece na sua vida agora.

09.Dez.16

As pessoas felizes são gratas

As pessoas felizes adotam a gratidão como atitude de vida. São agradecidas pelo que são, pelo que têm, pelas pessoas que aparecem nas suas vidas.

 

Gratidão

 

Elas são mais capazes de reconhecer a beleza das coisas, de identificar as oportunidades que surgem, de ver a abundância da vida e elas exprimem a sua gratidão por isso.

 

A melhor maneira de adotar o hábito da gratidão é manter um diário da gratidão, onde pode escrever 3 coisas a agradecer por dia.

09.Dez.16

As emoções escondem-se no corpo e expressam-se fisicamente

É uma visão comum no campo da medicina holística que as emoções se escondem no corpo. Quando somos invadidos por um estado emocional que não conseguimos processar o suficiente, tendemos a empurrá-lo para o nosso subconsciente, diminuindo assim o contato direto. Esse estado emocional armazena-se no nosso corpo em forma de tensão física, emitindo uma espécie de vagas de mal-estar traduzidas numa sensação de que algo não está bem, de que as coisas não estão como queremos, que estamos a perder o controlo. É desta forma que a nossa biografia se torna a nossa biologia.

 

Psicossomática

 

A falta de prazer traduz quimicamente insuficiência de serotonina, um neurotransmissor (substância que permite a comunicação entre as células nervosas do cérebro) responsável por sensações de bem-estar, alegria, saciedade, controlo de impulsos, tomada de decisões e outros aspetos do comportamento e cognição. Baixos níveis de serotonina estão associados a estados depressivos e ansiosos, bem como a comportamentos alimentares compulsivos com perda de controlo. Daí que o permanente desejo por alimentos doces e calóricos a par de uma dificuldade de ler os sinais de fome física e saciedade traduzirá um desequilíbrio químico.

 

De forma idêntica, uma vida sedentária leva, geralmente, a uma diminuição dos níveis de dopamina e de endorfinas, igualmente responsáveis pelo bom humor e pela energia.

loading...